Se há uma coisa que posso dizer de Cozumel é que, a não ser que seu espírito seja super esportivo e você chegue muito cedo à ilha, não faça o tour da ilha de bicicleta! Eu e minha esposta entramos numa onda atlética quando chegamos lá e o resultado foi lamentável…

Mas antes de contar essa história, vamos às instruções. A forma mais fácil de chegar a Cozumel é partindo de Playa del Carmen. Há um pier, que fica um pouco adiante da esquina da 5a. Avenida com a rua 2, do qual saem os ferry boats para a ilha. Quando visitamos Playa del Carmen, em junho de 2016, três empresas faziam o trajeto para Cozumel: a Ultramar, a antiga México Water Jets – atual Winjets – e a Barcos Caribe. Das duas vezes que fizemos o trajeto, utilizamos o serviço da Ultramar porque ele é um pouco mais barato que a da México Water Jets e tem mais opções de horários. Não chegamos a comparar com a Barcos Caribe.

A viagem de ferry boat para Cozumel demora uns 40 minutos. O barco balança um pouco – quem tem estômago sensível pode sentir enjôo. Mas em geral a viagem é bem confortável.

Por do sol em Cozumel

Por do sol na viagem de volta de Cozumel para Playa del Carmen

Como conhecer a ilha

Cozumel, em certa medida, pode ser descrita como uma versão em miniatura de Playa del Carmen. Um pequeno centro comercial com várias opções de bares, restaurantes, lojas e, ao longo da costa, diversas praias legais. A volta na ilha, em geral, é feita de moto ou bugue alugados. Na 1a. ida, arriscamos contornar a ilha de bicicleta. Foi um desastre. Primeiro porque a ilha é muito maior do que aparenta; de bike – e em Cozumel, não sei se podemos nos atrever a chamar aquilo que eles alugam de bicicleta -, a viagem é muito longa. Segundo: você fica exposto às intempéries. Se você pegou um dia de sol, imagina fazer o trajeto, com todo o esforço de andar numa bicicleta ruim, com aquele calor na cabeça. E se chover? Piora um bocado! No primeiro dia que fomos em Cozumel, fez muito calor.

Para completar, numa bicicleta, você acaba ficando mais sujeito a alguns contratempos que podem comprometer bastante o passeio. Quando estávamos quase chegando em Palancar, o pneu da minha bicicleta furou. Com sorte conseguimos um táxi-van cujo porta-malas cabia uma bicicleta. Minha esposa foi com ele até o centro enquanto eu pedalava todo o trajeto de volta com aquele calor absurdo.

O que conhecer em Cozumel?

Desventuras ciclísticas à parte, Cozumel merece ser conhecida. Não pela beleza das praias – nesse quesito, Maroma, Akumal e Tulum são mais interessantes -, mas pelos pontos de mergulho. Em Cozumel costuma-se encontrar excelentes condições para mergulhar, seja de snorkel ou cilindro: mar calmo, água cristalina e grande variedade de peixes.

Nesse sentido, os locais mais interessantes para serem explorados são as praias da parte oeste da ilha – as da parte leste tem mar revolto e não são recomendadas nem para banho. Os melhores pontos de mergulho são a praia do Money Bar e Palancar. Ambas possuem infra-estrutura de bar/restaurante. O Money Bar, inclusive, tem uma infra bem legal e um cardápio com ótimas opções.

No próximo post, vamos continuar explorando a península de Yucatán! Vamos apresentar Playa del Carmen!

Quer saber o que já escrevemos sobre a Riviera Maia? Então acesse os outros posts: